6.1.11

Informação abstrata não vira conhecimento

De acordo com o dicionário Aurélio, o significado de descartar é:

1. Rejeitar;      
2. Não considerar;
3. Jogar fora após o uso;
4. Livrar-se de pessoa ou coisa indesejável.

Eu descarto informação abstrata;
Tu descartas informação abstrata;
Ele/Ela descarta informação abstrata;
Nós descartamos informação abstrata;
Vós descartais informação abstrata;
Eles/Elas descartam informação abstrata.

Acrescento: quem ainda não descartou informação abstrata, um dia entrará para o clube.

Esquecer o que aparentemente foi ensinado na escola, do fundamental à pós-graduação, não é nenhum absurdo, como dizem por aí. Muito pelo contrário, esquecer aquilo que não nos é importante é, na maioria das vezes, uma sábia decisão do nosso corpo, do nosso cérebro.  

Muitos professores e alunos acreditam que informações abstratas passadas durante as aulas funcionem como uma poupança, capaz de render juros ao longo do tempo ou então que serão úteis algum dia. 

Ledo engano. 

Se o aluno não compreender a utilidade e a beleza do conteúdo no momento em que lhe é ensinado, de nada servirá.

Admiro as pessoas que possuem a belíssima capacidade de esquecer as informações abstratas entre uma fala e outra do professor. Por outro lado, outras pessoas conseguem carregar esse peso morto por um tempo maior.

Todavia, independente do tempo que cada um retém uma informação abstrata, mais cedo ou mais tarde, essa informação terá reservada pra si um único destino: o esquecimento.

Para ilustrar essas idéias, observem o gráfico:

Dessa forma, quero propor que, para um melhor aprendizado nas escolas: 

1) Os professores fizessem para si a simples pergunta: “Esse conteúdo é útil para o meu aluno, AGORA?” Se julgar que sim: “EM QUE?"

 2) Os alunos refletissem primeiro e depois fizessem ao seu professor a simples pergunta: “Qual a importância de se aprender determinado conteúdo?” "Em que ele me é útil?"

Confesso-lhes também que durante minha formação escolar, freqüentemente, essa segunda pergunta me veio à cabeça. Por vezes, criei coragem e a converti em palavras. Por vezes, arrependidamente, não.

No entanto, quase sempre que eu, com todo respeito, fazia essa pergunta tinha a impressão de estar proferindo uma sentença de morte ao professor.


Esse meu questionamento parecia soar como uma ofensa ou algo pecaminoso com relação aos dogmas do ensino, quando, na verdade, eu só estava tentando converter na minha cabeça informações abstratas em conhecimento real.

Paradoxalmente, ao final de algumas fatídicas aulas, alguns professores diziam: “alguma pergunta?”


O silêncio imperava. É óbvio.  

Como é que se pode esperar que os alunos façam alguma pergunta a respeito de algo que não os espantou? Que não os bestificou?

Para se aprender, de fato, é preciso que os professores produzam uma aula capaz de causar espanto em seus alunos; capaz de incitar a curiosidade

O verdadeiro aprendizado possui a habilidade ímpar de driblar o avanço do tempo, passando por ele sem sofrer avarias.

Portanto, leitores e leitoras desse blog, a partir de hoje não se esqueçam mais: “Informação abstrata não vira conhecimento”
_______________
Um abraço e até a próxima conversa! ;D
Deixe seu comentário!

5 comentários:

  1. li seu post do início ao fim com muito entusiasmo, e com certeza o conteúdo do mesmo não é uma informação abstrata rs.
    esse ano vou cursar o terceirão do ensino médio e me identifiquei com o texto em vários pontos, o principal foi quanto ao desconforto em que professores se encontram quando questionamos sobre a utilidade real de determinadas informações, enfim espero mesmo que professores leiam, e ao menos TENTEM melhorar a qualidade do ensino em sala de aula. um abraço e continue assim. :DD

    ResponderExcluir
  2. REDATOR DO BLOG LAGARTASGORDAS07 janeiro, 2011

    Olá Davi,

    Agradeço sua mensagem.

    Fico contente que o blog LagartasGordas esteja contribuindo com sua formação.
    Os professores não deveriam se sentir acuados quando perguntados sobre os objetivos de suas matérias, bem como de seus conteúdos. Pelo contrário, deveriam se sentir mais motivados e, com isso, fazer seus alunos enxergarem coisas que eles ainda não conseguem ver.

    Continue acompanhando e, se possível, me ajude na divulgação do blog. Toda semana postarei textos novos, ok?

    Agradeço novamente seu comentário.
    Até a próxima.
    Richardson
    Redator do Blog LagartasGordas

    ResponderExcluir
  3. Cibelle (Xups)09 janeiro, 2011

    Tudo verdade o que escreveu nesse post!! Muito bom =)

    ResponderExcluir
  4. A verdade é que temos pouquíssimos professores preparados, que realmente nos entretem nas suas aulas e que passam um bom conteúdo. Já vivi várias situações em que professores são indagados e não sabem responder com clareza, ficam confusos. Mas legal de você tratar desses assuntos no seu blog. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Rapaz... se me dissessem o quanto operações com matrizes é importante no ensino médio teria estudado muito mais... hoje eu sinto a deficiência do ensino, quando já estou na pós-graduação.

    Grande abraço Richardson e parabéns pelos textos!

    ResponderExcluir

Olá leitor(a)!
Deixe um comentário aqui.
Obrigado.